A UNIDADE DO INFINITO E FINITO PARA ALÉM DAS SIMPLES OPOSIÇÕES DO PRÓPRIO ENTENDIMENTO EM HEGEL

Evandro Pereira da Silva

Resumo


Resumo: A filosofia busca pela razão a unidade. Neste contexto, nos direcionamos ao movimento dialético encontrando na natureza do universal, algo simples que contém por meio da absoluta negatividade, a suprema diferença e determinidade em si. Assim, o ser é algo simples, e num primeiro momento, não se pode dizer dele o que é; ele é, por conseguinte, imediatamente uno com seu outro, com o não ser. Exatamente esse é o seu conceito, de ser algo assim simples, que imediatamente desaparece em seu oposto; visto que ele é o devir. Destarte, o universal, ao contrario, é o simples, que igualmente é o mais rico em si mesmo, justamente porque é o conceito. Assim, o campo de investigação desta exposição nos direciona, a exemplo, para uma oposição entre o finito (natureza) e o infinito (espírito), onde a síntese sujeito-objeto é destituída de sua essencialidade, visto que cai em uma unilateralidade do ideal regulativo posto pelo entendimento. Mas, torna-se reflexão como aparência da essência de si mesma. É sob essa afirmação que empreendemos ter como objetivo neste artigo, abordar sobre a unidade entre o infinito e o finito, – o absoluto, para além das simples oposições do próprio entendimento. Para isso, empreendemos a partir do livro A Ciência da Lógica [Wissenschaft der Logik] de Hegel (1770-1831), constituindo o complexo como objeto da Lógica, empreendendo a ideia como o sistema dos conceitos puros, onde possibilita a lógica, a manifestação do entendimento.

 

Palavras-chave: unidade, infinito, finito, entendimento, determinação.

 

Abstract: Philosophy seeks the reason the unit. In this context, we've been leading the dialectical movement finding on the nature of the universal, something simple that contains through absolute negativity, the supreme difference and determinacy itself. Thus, being is something simple, and at first, you can not tell him what it is; it is therefore immediately one with its other, with not. Exactly this is the concept, to be something simple, which immediately disappears into its opposite; since it is becoming. Thus, the universal, in contrast, is simple, it is also the richest in itself, precisely because it is the concept. Thus, the research field of this exposure leads us, like, for an opposition between the finite (nature) and infinite (spirit), where the subject-object synthesis is devoid of its essentiality, as falling on a one-sidedness of the ideal regulative post by understanding. But, it is thought as the appearance of the essence itself. It is in this statement we have undertaken to aim in this article, address on the unity of the infinite and the finite, - the absolute, beyond simple oppositions own understanding. For this, we undertook from the book The Science of Logic [Wissenschaft der Logik] Hegel (1770-1831), constituting the complex as the object of logic, undertaking the idea how the system of pure concepts, which enables the logic, the manifestation understanding.

 

Keywords: unidade, infinito, finito, entendimento, determinação.


Palavras-chave


Unidade, Infinito, Finito, Entendimento, Espírito.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Occursus - Revista de Filosofia

ISSN: 2526-3676