Entre imagens e textos: cinema de poesia e intermidiabilidade em "Passos no Silêncio".

Rodrigo Capistrano

Resumo


Propomos investigar os conceitos de cinema, de poesia e interminalidade a partir da análise do curta-metragem Passos no silêncio (2008), de Guto Parente. O realizador também assina o roteiro e a montagem do filme. Nele, percebemos a conjunção de várias mídias, garantindo uma multiplicidade de telas, contidas tanto pela sua presença material como simbólica. Partindo da premissa que a poesia é a forma por excelência da interioridade, Passos no silêncio se insere no chamado cinema de poesia.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.