ESTUDO DOS BREJOS DE ALTITUDE ATRAVÉS DA RELAÇÃO ENTRE TIPOS DE QUADRA CHUVOSA E IMAGENS DE SATÉLITE: O CASO DOS MACIÇOS DA ARATANHA, MARANGUAPE, JUÁ E CONCEIÇÃO, CEARÁ, BRASIL

Guilherme Marques e Souza, Maria Lúcia Brito da Cruz

Resumo


A atual distribuição dos seres vivos na Terra, principalmente sobre a vegetação, representa o resultado de eventos geológicos e climáticos ocorridos no passado do planeta. O processo de evolução das espécies da flora terrestre possui uma forte relação com os processos geológicos da deriva continental, desenvolvendo-se de pequenos organismos (como os musgos) presentes em ambientes restritos para grandes massas florestais, passando a ocupar extensas áreas continentais. Além disso, as combinações de fatores climáticos, hidrológicos e morfo-pedológicos favoreceram diferentes condições ambientais para a existência de variados domínios florísticos, dentre estes, os redutos florestais. Na região Nordeste do Brasil, onde parte dela é condicionada pelo clima semiárido, existem evidências que comprovam a relação dos fatores ambientais sobre a vegetação local. Identificam-se pequenas áreas de matas úmidas, conhecidas popularmente como brejos de altitude, inseridas em pleno domínio das caatingas. Suas ocorrências estão ligadas aos terrenos de topografia elevada, onde o relevo executa função de barreira aos ventos carregados de umidade, resfriando-se e propiciando a formação de nevoeiros e chuvas. O presente trabalho teve por objetivo verificar as diferentes classificações pluviométricas da região onde se situam as serras da Aratanha, Maranguape, do Juá e Conceição no estado do Ceará comparando-as com a resposta da vegetação através de imagens de satélite. Dessa forma, verificou-se uma grande ligação da pluviometria com a vegetação, pois quanto maior é a quantidade de chuva, melhor é a resposta da vegetação na imagem de satélite.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



 

 

 

Revista GeoUECE
ISSN online: 2315-028X

  Locations of visitors to this page

visitas