AGLOMERADOS SUBNORMAIS EM FORTALEZA: REPRESENTAÇÕES DE DESIGUALDADES SOCIOESPACIAIS

Yara Maria Castro de OLIVEIRA, Tasso Ivo de OLIVEIRA NETO

Resumo


O artigo trata de ocupações irregulares, relacionando essas formas de expressão da moradia na cidade e o meio natural onde estão localizadas. Faz-se uso do setor censitário especial do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas – IBGE (2010) denominado aglomerado subnormal para discutir as características do espaço da cidade de Fortaleza, Ceará. A problemática das desigualdades socioespaciais, na cidade de Fortaleza, é tratada em suas formas e em sua ocupação em áreas pouco propícias à habitação como: planície litorânea, especificamente em seus subsistemas de dunas móveis, dunas fixas, faixa de praia e complexo flúvio-marinho; planície fluvial e planície lacustre. A metodologia identificou uma cidade produzida e vivenciada por uma grande parcela da população cearense empobrecida e desprovida dos recursos do crescimento econômico alcançado por outras camadas sociais. O artigo está estruturado em duas partes: na primeira, há uma caracterização dos aglomerados na cidade; em segundo, analisa-se os aglomerados subnormais/assentamentos irregulares no contexto urbano e em sua localização geográfica, para daí concluir sobre esse relacionamento entre o homem e o meio natural.

 


Palavras-chave


Aglomerados subnormais; desigualdades socioespaciais; cidade produzida.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



 

 

 

Revista GeoUECE
ISSN online: 2315-028X

  Locations of visitors to this page

visitas