MOVIMENTOS SOCIAIS EM FORTALEZA E A CRÍTICA DA IDEOLOGIA URBANÍSTICA

Adelita Neto CARLEIAL

Resumo


Reflexões sobre os movimentos sociais ocorridos, recentemente, no ano de 2013, em Fortaleza são a tônica deste artigo. Para isso se fez necessário olhar a cidade, sua história e cultura. Além de situar a cidade no mundo globalizado, observar a evolução e as mudanças históricas ocorridas nos movimentos nesta cidade, para daí chegar aos traços que permaneceram e aqueles que mudaram as características desses movimentos. Somente, então, se entendeu e interpretou os sentidos desses movimentos. O percurso analítico teve como marco teórico os pensamentos de Lefebvre (1978), Manuel Castells (1980) e Maria da Glória Gohn (1997), permitindo uma reflexão sobre as desigualdades socioespaciais em Fortaleza como motivadora dos protestos, sabendo-se que tais desigualdades são produzidas pela expansão do capital na cidade. Chegou-se a uma definição de movimentos sociais para aplicar a esses protestos recentes numa seara acadêmica bastante diversificada sobre essa conceituação. As mobilizações recentes foram relacionadas a história dos movimentos sociais locais e nacionais ampliando o olhar para os efeitos da Política e do exercício do poder no Brasil sobre esses novos fatos.

 


Palavras-chave


Movimentos sociais; ideologia urbanística; desigualdades socioespaciais

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



 

 

 

Revista GeoUECE
ISSN online: 2315-028X

  Locations of visitors to this page

visitas