A "Estratigrafia do Abandono" em dois museus públicos potiguares

Abrahão Sanderson Nunes Fernandes da Silva

Resumo


As coleções arqueológicas são pouco articuladas com outros conjuntospatrimoniais brasileiros, o que revela camadas de relações estabelecidas para comestes artefatos e evidencia um processo de isolamento e esquecimento destesenquanto constituintes das memórias regionais ou nacionais. Esta "estratigrafia doabandono" é observada no Rio Grande do Norte a partir das relações estabelecidaspara com os acervos arqueológicos nos museus Câmara Cascudo e Lauro da Escóssia.Estudando realidades institucionais distintas, se busca contribuir para a percepçãonão só do potencial informativo e comunicativo das coleções arqueológicas potiguares,mas também para evidenciar a maneira como este campo do patrimônio culturalbrasileiro tem sido abordado em terras norte-rio-grandenses.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


O público e o privado - Revista do PPG em Sociologia da Universidade Estadual do Ceará - UECE