A criança e o adolescente como objeto de retórica do Governo Ciro Ferreira Gomes

Rejane Batista Vasconcelos

Resumo


O artigo ocupar-se-á em demonstrar, através de um diálogo com aação discursiva do governo cirista (Ciro Gomes), que, a despeito do incansável esforçogovernamental, no sentido de credenciar a criança e o adolescente, na fala oficial,enquanto “Prioridade Absoluta” e “Compromisso Político”, a posição ocupada poresses, que, em nível legal, tornaram-se sujeitos de direitos, foi tão somente a deobjeto de retórica governamental. Busca ainda, nas passagens discursivas, oentendimento e a elucidação que - no plano do dito, do omitido, do intencional, doacidental, do não revelado - nos fazem desfabular a posição ideológica assumidapelos interlocutores governistas. A palavra foi a matéria prima do governo cirista. Elesoube, como poucos, fazer crer que o “verbo fez-se ação”. O estudo permitiu constatarque esse governo postou-se a serviço do projeto de encurtamento deliberado eplanificado do Estado, quando propalou a participação popular, a parceria e a cogestão,pois essas constituíram-se, de fato, apenas em artifícios oratórios deencobrimento da intencionada inação do Estado. O estudo ancorou-se na análise daprodução documental oficial (relatórios, projetos, programas, material publicitário),bem como, de entrevistas, notícias e reportagens veiculadas nos jornais O Povo (CE),Diário do Nordeste (CE), Tribuna do Ceará (CE), Correio Braziliense (DF), Folha deSão Paulo (SP), Jornal do Brasil (RJ).

Palavras-chave


Criança; adolescente; discurso político; parceria; participação social; gestão compartilhada.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


O público e o privado - Revista do PPG em Sociologia da Universidade Estadual do Ceará - UECE